EMÍLIO, ou Da Educação

 Em Livros (Sugestão de Leitura)

EMÍLIO, ou Da educação,
Émile, ou De l’éducation, 1762.
JEAN-JACQUES ROUSSEAU, 1712-1778.

Essa obra, que expõe a teoria rousseauniana da educação, deve ser posta ao lado de A nova Heloísa (1761, teoria da família) de O contrato social (teoria das instituições políticas).

“Tudo é bom ao sair das mãos do autor das coisas; tudo degenera entre as mãos do homem.” Assim começa Emílio. O progra­ma pedagógico de Rousseau é assim traça­do: dar à criança e, depois, ao adolescente uma educação negativa, que os proteja o máximo de tempo possível da influência deletéria da sociedade. O pequeno Emílio é criado no campo, longe dos homens e dos livros. A liberdade será o fim e o meio des­sa educação, e a natureza o primeiro mestre. A criança se formará por sua própria experiência, sob a égide de um preceptor tão discreto quanto onipresente; pois, embora a criança não deva receber lições de ninguém, a não ser das coisas, é preciso que em torno dela, sem que ela saiba, se organize um mundo capaz de garantir a formação de seu juízo livre. Portanto, nada deverá ser deixado ao acaso.

Nenhum empreendimento educacional poderia prescindir da definição de seus fins. O que se deve formar é um homem e depois – mas só depois – um chefe de fa­mília e um cidadão. Como não se quer um “janota” capaz de brilhar nos salões e ­como dizia Descartes – de “falar verossi­milmente de todas as coisas”, não serão cultivadas as virtudes de aparência e a ins­trução livresca.

Primeiro princípio: deixar a natureza agir, apenas eliminar os obstáculos para seu pleno desabrochar. Não apressar a evolu­ção natural de um organismo e de um psi­quismo. Os cinco livros da obra seguem o desenvolvimento natural de um ser, da cons­ciência à razão, passando pela sensibilida­de. Rousseau critica Locke por ter querido raciocinar cedo demais com as crianças. Ridiculariza quem ensina a essas pobres crianças fábulas de La Fontaine, que elas não entendem. Portanto, os primeiros ins­trutores serão a observação sensível e o contato com a coisa. Emílio pode ser consi­derado o primeiro manual dos chamados métodos “ativos”, não nos esquecendo de que as atividades da criança são dirigidas pela mão invisível de um mestre que sabe em que direção ela vai. Deve-se evitar prin­cipalmente ensinar por signos, que as crian­ças não sabem interpretar ou interpretam bem demais. Nada de lições de moral em forma de sermão, mas sim as que a criança recebe naturalmente, como conseqüências materiais de seus atos. As crianças mentem? “Não cabe invectivar contra a mentira e punir a criança precisamente por ter menti­do, mas sim mostrar que todos os efeitos maléficos da mentira, tal como não ter cré­dito mesmo quando ela diz a verdade ou ser acusada de um mal que não tenha co­metido, mesmo quando dele se defende, caem sempre sobre sua cabeça quando ela mente.” Nada de livros, ou o mais tarde possível. Robinson Crusoé será o primeiro. Em compensação, Emílio aprenderá um ofício manual, pois nenhum homem pode­ria deixar de ser útil a seus semelhantes sem danos para si mesmo e para os outros.

O livro IV trata da educação moral e reli­giosa. Nele se encontra a famosa Profissão de fé do vigário saboiano, que desencadeou contra o Emílio os furores da Igreja. Rous­seau professa a religião natural: Deus é anunciado por um “sentimento interior” e manifesta-se “em suas obras”. São violenta­mente criticadas as religiões reveladas, que interpõem livros, sacerdotes e ritos entre a criatura e seu Deus; “o culto essencial é o do coração”. Mas a Profissão de fé também não poupa o materialismo e o ateísmo dos filósofos e dos enciclopedistas.

Emílio precisa de uma companheira. O livro V é dedicado a educação feminina, que “deve ser relativa aos homens”. Emílio en­contrará em Sofia uma jovem sensível, ale­gre, elegante sem afetação, coquete sem impudência. Mas o casamento terá de espe­rar dois anos, tempo em que Emílio aperfei­çoa sua educação viajando. Rousseau escre­veu uma continuação que não publicou (Emílio e Sofia), mas que merece ser lida.

Emílio é o maior livro de Rousseau, aque­le em que ele pôs toda a sua filosofia. Mas será também aquele que lhe valerá a perse­guição mais violenta: o livro é condenado à fogueira pelo parlamento de Paris, e em Genebra Rousseau é condenado à prisão. O arcebispo de Paris, Christophe de Beau­mont, inclui o livro no Index, o que lhe va­leu uma réplica acerba e sublime: a Carta a Christophe de Beaumont, cuja leitura é imperativa, como complemento da Pro­fissão de fé do vigário saboiano. Foi sem dúvida com essa obra que começou o lon­go irreversível processo de isolamento que levou Rousseau à beira da loucura.

Edição brasileira: Emílio, ou Da educação, São Pau­lo, Martins Fontes, 1995.

Estudos: J. Château, Jean-Jacques Rousseau, sa phi­losophie de l’éducation, col. “L’Enfant”, Vrin, 1962.

G. Besse, Jean-Jacques Rousseau, l’apprentissage de l’humanité, Messidor-Éditions Sociales, 1988.

Recommended Posts
Contate-nos

Aqui você pode enviar um e-mail.

Not readable? Change text.

Start typing and press Enter to search