Uma introdução às Paixões Dominantes

 Em Artigos de Filósofos Clínicos, Filosofia Clínica, Videos

Trecho do filme “Melhor É Impossível”, com direção de James L. Brooks que ilustra o tópico estrutural Paixão Dominante.

Uma introdução às Paixões Dominantes

As Paixões Dominantes dizem respeito ao que se repete. Portanto, frequência e repetição são os termos chaves. Precisamos ter cuidados, pois a expressão pode levar a elementos que nada têm com relação a isso.
Por exemplo, a pessoa diz que: “Tenho o hábito de ir a um restaurante de massas.” Ter o costume, o hábito, é uma Paixão Dominante. É importante frisarmos que uma influência, por si somente, não caracteriza uma Paixão Dominante, pois lhe falta o elemento de repetição.
Na Filosofia Clínica, não podemos afirmar que a questão central na Paixão Dominante é que deixar uma rotina, um elemento protocolar, burocrático na vida, é algo difícil. Ou então algo complexo. Muitas pessoas conseguem deixar hábitos sem esforços maiores. Tudo depende do que está acontecendo e das relações na malha intelectiva.
Uma Paixão Dominante também é uma característica da pessoa.
As Paixões Dominantes podem fazer a pessoa adormecer para certas coisas. A repetição pode adormecer, levar a esquecer de certos fenômenos.
Em outros casos, a pessoa pode não se dar conta de certas situações. Por exemplo, ela afirma que: “Eu sempre passo por essa rua quando vou para casa e nunca tinha me dado conta daquele pequeno rio junto à ponte. Desta vez as luzes que colocaram próximo ao rio me despertou. O lugar é lindo.”
Neste caso, “sempre” é um indicativo de Paixão Dominante.
Quando a pessoa diz que, “Às vezes, claro, eu vou, mas é raro. Tenho algo automático em mim que me faz evitar frituras, comidas gordurosas. Mas um peixinho frito, uma vez ou outra, pode ser interessante. Vinho, se for bom e leve, é um belo acompanhamento. Sei lá.” Neste exemplo, o aspecto ligado à frequência é o “algo automático”.
Há quem tenha Paixões Dominantes evidentes para os outros e completamente invisíveis para a própria pessoa. A pessoa pode ignorar ter uma Paixão Dominante.
Os indícios fortes, do uso deste tópico estrutural Paixão Dominante, ficam caracterizados pelas repetições. Tais repetições podem ser didáticas, podem ser úteis na aprendizagem, pois algumas pessoas aprendem exatamente repetindo inúmeras vezes. Assim como algumas pessoas podem desaprender e achar insuportável o caráter repetitivo. Precisamos verificar como a pessoa funciona a partir de sua historicidade, de sua Estrutura de Pensamento.

Bruno Packter

Posts Recentes
Contate-nos

Aqui você pode enviar um e-mail.

Not readable? Change text.

Start typing and press Enter to search